hits from the bong:

segunda-feira, 8 de outubro de 2007

Vamos "à Terra"?

O titulo do post resume bem o fim de semana longo que agora passou. Agarrámos nas nossas bikes e fomos curtir para "a Terra". A minha terra. Minha como quem diz, porque os ancestrais já sairam de lá há duas gerações, mas a haver uma "terra", é aquela.
"A Terra", Vila do Touro de seu nome, fica na extremidade do concelho do Sabugal, no distrito da Guarda. Meia virada para a Serra da Estrela e meia virada para a Malcata, eleva-se uns generosos 830m do nivel do mar, com direito a castelo (agora em ruinas de onde dificilmente se discerne um castelo) e a foral logo em 1220. Enfim, "a Terra" transpira mística. Nesta mistura de tradição, muito granito, paisagens rudes e trilhos absolutamente brutais, aparecemos nós para um fim de semana de 3 dias.



Gravity Assisted Sports arrives in town...


A ideia original era ir experimentar o Bike Park da Estrela, mas que para surpresa de todos esteve "encerrado para manutenção" no que se previa ser um fds de grande afluencia. Pelo menos assim nos foi dito ao telefone. Tivemos de nos contentar com uns "agressive cross country", que mais uma vez se revelaram "too agressive" para a minha bike. Mesmo já no final do 1º dia a pedaleira que vinha de origem cedeu aos milhares de kms que já tinha...


Um "best time shot", com um drop do Jay


Como tinhamos connosco um "rookie" no MTB montado numa "marca branca" (na verdade, a marca do maquinão era BIKE QUEEN, o que valeu ao Xê a alcunha temporária de "A Raínha das Bicicletas") a 1a metade da volta foi calminha, mais em jeito de passeio, com muitas paragens para curtir nos sempre presentes afloramentos rochosos de granito que têm uma aderencia muito caracteristica... o sitio perfeito para ensaiar uns saltos. Depois de um desses saltos tive um furo e acabei por descobrir que a camara de ar sobressalente que trazia comigo afinal eram duas de roda "16. Não me perguntem como e porquê, porque não faço ideia... só sei que devo uma camara de ar ao Jay. Já na 2a metade da volta, e com o nosso "rookie" já a tomar banho, foi puxar, puxar, puxar. Puxei tanto que a pedaleira foi-se...


No 2º dia foi necessário trocar a pedaleira... visita à Guarda, ficando desde já os agradecimentos à SPORT BIKE / "Pirry" pela ajuda que deu. Novamente bem montados, fomos a um "agressive XC". Mais uma vez, demasiado agressivo. Completamente fora dos trilhos existentes, acabámos por nos perder bem no meio dos montes... mas graças a "instintos felinos" colectivos (não estivéssemos nós perto do habitat do lince Ibérico) e a uma boa dose de sorte conseguimos chegar depois do sol se por, mas antes da escuridão absoluta.


Sub - "Isto aqui em cima é giro,
mas não se vê caminho em lado nenhum..."



Na manha seguinte, no dia de regresso, ainda houve tempo para irmos para uma descida daquelas mesmo velha guarda que descobrimos por lá... rápida, muita rocha, saltos naturais, muitas curvas abertas, zonas para puxar pedal, transferências, múltiplas trajectórias e a fazer valer os 830m de altitude de onde começa. Não podiamos ter tido melhor despedida.