hits from the bong:

sexta-feira, 2 de novembro de 2007

Nu ride in da hill

Tantas idas à oficina, tinham de acabar nisto... comprei uma bike nova!! Uma Mondraker Curve, de 2006. Era exactamente o que eu procurava, uma All Mountain... com vocação de descida mas que não me impedisse de ir dar umas pedaladas pelas encostas acima. Depois de 3 dias a habituar-me à nova posição no "cockpit", estava na hora de a levar para qualquer sitio mais puxado, onde desse para testar a máquina a fundo. Nada melhor que um freeride em Sintra...

Sub: "Está um bom dia para morrer..."


Depois de muitos desencontros motivados pela falta de rede nos telemóveis, lá nos conseguimos juntar no ponto de largada para o playground. Primeira manga... 6 riders pela encosta abaixo.
Definitivamente o inicio da pista não é para mim. Eu tenho dificuldade em descer aquilo a pé, quanto mais de bicicleta. E aqueles drops no meio das rochas, em que a recepção é não se sabe bem onde, continuam a parecer impossíveis. Para mim, o divertimento começa 30 metros abaixo. Aí sim, estamos em casa... Ladeira abaixo, ainda deu tempo para o Jay se embrulhar à saida de um gap, para o Telmo cair porque - diz ele - se virou para nos dizer qualquer coisa e para eu furar mesmo a chegar ao fim.

Six men down...



A seguir desço só eu e o Pacheco. Sempre a abrir por ali abaixo, foi altura de testar a fundo a bike e não me deixou ficar mal... Os 150mm à frente a corrigirem o piso a permitirem um controlo bem eficaz. Muito ágil a permitir derrapagens sempre controladas e curvas apertadas. A velocidades mais altas é só puxar o peso mais para trás e deixar que o amortecedor faça o seu trabalho. E sempre que é preciso afrouxar o andamento os travões Formula K18 são precisos e eficazes. Só o guiador é que é demasiadamente largo. Mas enfim, é uma questão de hábito.

Jay: "Deixa lá dar aí uma voltinha..."


Resumindo e baralhando... A Mondraker Curve é uma máquina todo-o-terreno. Apesar de evidenciar aquela cadencia "molengona" típica das bikes de suspensão total nas subidas em asfalto ou terra batida, em subidas técnicas é muito eficaz a por a força na roda e a por a roda no chão. Quando se trata de descer, está em casa. Tem um balanço perfeito entre agilidade e estabilidade, e quando se mete o peso no sitio certo é perfeita para descer... e é mesmo nas descidas que se sente mais à vontade (ou serei eu?).



Agora, é esperar que faça muitos kms...