hits from the bong:

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Bike Trip à Serra da Estrela


O título diz tudo. Bike Trip à Serra da Estrela. Sim, à Serra da Estrela e não ao "Vodafone BikePark" porque de park tem muito pouco e parece-me que a Vodafone e a Turiestrela se estão a cagar para aquilo. Enfim, estamos na tuga e basta...

Quanto à Trip, esteve lá toda!
Hora de partida da Gália: 6.00 a.m. sharp. Isto depois de já ter apanhado o Tó no Cacém e de termos atestado a (quase já nossa) Fiat Ducato. Depois foi só enfiar 7 bikes, 6 gajos e toda a respectiva tralha (geleiras e frigoríficos incluidos) e arrancar à base de Red Bull e da adrenalina que os seis marmajos expiravam pelos poros.

A viagem foi a parvoíce habitual com o ambiente "a concertos à antiga" a apoderar-se do espaço. Ele foi Xutos, foi Ramones, foi Peste e Sida... E para quem diga que só lá faltou o cavalo, engane-se, porque até esse esteve lá!
"Chuta cavalo, chuta cavalo, chuta cavalo e morrerás!!" (cantado em uníssono)
"Chuta cavalo, Chuta cavalo!!"

Comigo sempre ao volante até ao ponto mais alto de Portugal Continental, eram 9.30 quando lá chegámos. Estava um dia brutal, com o céu completamente limpo, uma temperatura muito simpática e uma radiação solar a fazer lembrar o grill do meu forno de cozinha. Não houve escaldões, felizmente.
"The driver"

As pistas, essas não as vi. Vi foi muita pedra e pouca terra. Segundo o pessoal que lá está a operar o teleférico, as pessoas responsáveis por quele espaço não podem ou não querem fazer mais. No dia em que teoricamente abria o "Vodafone Bike Park" só tinham uma pista meio marcada e a outra estava uma lástima e sem marcações. Nada que assustasse o pessoal da GAS, deixem-me humildemente dizer.
"O descanso dos guerreiros"

Fizemos uma quantidade de descidas e tivemos outros tantos problemas de mecânica. Desde correntes partidas (pelo menos 2), a guias a sair do sítio (outras 2), a cabos a soltarem-se do quadro por causa dos saltos (1) e a apoios de guia partidos (1), ele houve de tudo. Felizmente foi só material (ou quase...). É que ao fim do dia já se contabilizavam algumas quedas. Nada de grave mas o suficiente para desmoralizar alguns guerreiros.

O Carlos com o seu canhão novo. E que canhão... Boxxer WC à frente e DHX5 atrás, quadro com muito bom aspecto e componentes todos de topo. Parabéns, tens mesmo aí uma ganda bike!! O Sub com a sua malagueta que a partir de certa hora decidiu que já não lhe apetecia mais aceitar as pedaladelas pesadas do seu amo e passou a rolar sem corrente. Qual Penela qual quê!! O Jay, (ou devo dizer Pablito?!) estava em grande ao atirar-se logo à maluca ao duplo do início da pista e ao salto da passadeira uns metros mais abaixo. O Tó, apesar de ser de longe aquele que de nós mais "cochonnes" tem, lá contabilizou mais umas 2 queditas ao seu curto currículo de acidentes. O Telmo, ai ai, o Telmo... O que se pode dizer do wiki? Tem sempre qualquer coisa para dizer e mesmo quando não tem arranja. O Telmo cagou na sua bike e tomou a acertada decisão de andar o dia todo com a Curve azul bebé (ups, azul bebé não, azul outra merda qualquer, lol).
"Ganda Jay!!"

E eu, hehe!! Eu que não caí uma única vez, que até me senti bem mesmo nas zonas com mais pedras e que nos relevés não troquei os pés. Eu que ganhei os tais "cochonnes" e me atirei ao duplo do Tó e do Jay e que após umas poucas de tentativas sem problemas lá consegui sacar unas 2 ou 3 saltinhos à homem. Ou deverei dizer à puto?! (ver vídeo "untitled 2") Só tive pena de me faltar uns dentinhos na pedaleira e de não ter atinado com aquilo umas horas mais cedo...
"Quais cochonnes, quais quê!!"

Às 18.00 lá nos reunimos no fim das "pistas" para tomar a nossa banhoca com o chuveiro do escuteiro do grupo e para vestir roupa limpa para dar início à jornada de regresso. A viagem mais uma vez foi a cena de sempre, muita bacorada e muita parvoíce, com a posição de driver a mudar para as mãos do Carlos. Às 00.00 estavamos todos em casa, com a certeza de um dia bem passado entre um grupo de pessoal 5 estrelas (excepto o Telmo à 3ª feira) e com vontade que a próxima seja mais a Norte.

terça-feira, 14 de julho de 2009

Barriguinha cheia

O titulo do post não deixa de ser um bocado parvo, tendo em conta o meu estado actual( ver PS2). Mas já tinha sido decidido que este seria o titulo, ainda a circular nas pistas da Malveira. Este Sábado, e pela primeira vez em já alguns meses, saímos de Sintra completamente saciados, não só pelo número de descidas que acumulámos, mas também porque conhecemos um novo trilho e houve quem se mandasse a grandes obstáculos e tenha saído com o corpo ileso e o ego preenchido!

simplesmente... perfeita!


Mas vamos por partes... o dia começou bem antes da primeira descida. Como este era o fds em que o " és tão grande / gigante / o maior" Covas resolveu com elevada elegância o problema do transporte, havia recolha as 7:45 na Idanha, as 8:00 em Queluz e 8:30 na Malveira. A concentração das 8:00 foi a mais movimentada - o Covas e o Tó vinham ter a casa dos meus pais, para virem-me buscar a mim ao Telmo e ao Carlos. Não posso deixar de partilhar o comentário da minha querida mãezinha ao ver 5 marmanjos, 5 bikes e uma carrinha: "vai muita testosterona ali na carrinha".

6 marmanjos, 6 bikes e "2000 litros de capacidade"


Chegados à Malveira e cumprindo a recente tradição, já o Jay estava à espera. Num ápice, estavamos todos esquipados, com as bikes lá dentro e prontinhos para subir. Logo na primeira descida, assisto a um dos bons momentos do dia... vinha eu atrás do Tó nos voadores quando o vejo a seguir em frente no terceiro. Estava a começar bem o dia! Daí em diante foi acumular descidas umas atrás das outras. Entretanto travámos conhecimento com o Pedro, que depois de nos mostrar como é que se fazem os voadoares a sério, levou o Tó e o Jay pelo mundial e ainda nos levou, em "guided tour", ao trilho da Lucky Bikes.


El payacito, fartou-se de fazer rabonas sem cair

Ficámos todos encantados com o trilho, que para além de ser desafiante qb em termos de pilotagem e de DH, o que fez de mim fan do trilho desde os primeiros metros, tem uns obstáculos mais extreme FR mais ao jeito do Jay e do Tó. Umas verticais de pedra e uns saltos com gap respeitavel, que depois de vermos o Pedro a fazer pareciam muito fáceis: o Jay experimentou com sucesso a vertical de pedra, e o Tó logo a seguir. Estes dois rapazes andam a dar-lhe muito!! Foi uma manhã simplesmente perfeita ali na Malveira...

Saúdem o patrocionador

PS: pela primeira vez na história deste blog, houve 2 posts no mesmo dia, o que indica o entusiasmo que reina nas fileiras da Gravity Assisted Sports. Depois deste Sábado de luxo, avizinha-se mais um, com toda a comitiva a deslocar-se ao bike park da Serra da Estrela

PS2: para quem não sabe, eu e o meu doce sofremos uma intoxicação alimentar provocada por ameijoas, de proveniencia vietnamita. Como se sabe, os moluscos actuam como "filtros naturais" e aquelas águas ainda devem ter alguns vestigios de napalm...


Agora só nos param na Serra da Estrela

Vodafone Bikepark is waiting for us...

Pois é pessoal, parece que é desta que vamos todos ao Vodafone Bikepark.

À semelhança do fim de semana passado, a Académica vai disponibilizar a um valor bastante apelativo (60€) uma das suas carrinhas de 9 lugares para a malta da GAS se deslocar até ao ponto mais alto de Portugal Continental. Há quem já fale de se fazer sócio aqui da AAA e tudo...

Segundo me informaram na Turisestrela, o Bikepark está a sofrer algumas reformas para ver se abre amanhã dia 15. Na pior das hipóteses, sábado já estará a funcionar em pleno.
Eu por mim combinava a reunião da malta bem cedinho em Queluz ou em qualquer outro sítio para arrancarmos a tempo de lá chegar às 9.30, 10.00... Depois é só curtir!!

Ah, não se esqueçam de levar paparoca com fartura pois os ares da montanha costumam dar fomeca. Também convém ir minimamente preparado para algum eventual problema de mecânica e manutenção.

T

ps: então e o report das 7 descidas de sábado passado com o apoio da AAA, sai ou não sai?

ps: desejos de melhoras para a intoxicação alimentar do guerreiro Sub e da sua cara metade. É que parece que as ameijoas vietnamitas estavam cheias de Napalm...


segunda-feira, 6 de julho de 2009

back in black

É interessante ver como as causas comuns têm a capacidade "quebrar o gelo" e juntar as pessoas. E que grande ajuntamento foi no Sábado na Malveira, com o pessoal todo no final das pistas no sitio certo (final dos voadores) a discutir os motivos e soluções para aquele problema. Desde a notícia bombástica do encerramento das pistas que não parávamos ali, e foi bom ver que afinal ainda tá tudo na mesma. A arrufadinhas continua por lá, o Francisco com 12 anos continua a deixar-nos envergonhados sempre que o vemos passar, o 2º voador é à menino, etc etc...


mais magrita, mas lá no sitio


Desta vez, os problemas começaram mesmo antes de chegarmos. Tinha combinado com o Carlos às 9h da manhã. E as 9h da manhã estávamos lá. O Covas, o Jay e eu em Sintra, o Carlos e o Tó em Belas. Como é que é possível alguém combinar as horas mas se esquecer de combinar o sitio... Enquanto o Tó e o Carlos faziam a viagem até Sintra, fomos fazer uma descida. Foi quando o Covas se apercebeu que não tinha trazido ténis, só chinelos (boaaa!!). E quando chegámos lá acima, uma ambulância parada no início das pistas. Pensámos logo que alguém se tinha partido todo ali e tinha ligado pro 661, mas afinal andava uma mulher perdida na Serra. Bem, antes da primeira descida já havia três incidentes um bocado esquisitos, e ainda o dia não tinha começado.


Perfeito, prontinho prá guerra

Lá fui eu e o Covas (com os ténis do Jay) por ali abaixo e logo no final da 1ª secção já o guiador branco bmx style da Plunder apresentava uns riscos, consequencia de uma queda. Quando chegámos lá abaixo, já tinham chegado o Carlos e o Tó e começou-se a descer com 2 carros. Infelizmente, mais uma vez recordámo-nos do problema que temos entre mãos, e aquilo ali sem carrinha é mesmo muito complicado. O que vale é que somos uns gajos cheios de boa vontade, porque entre os problemas a meter 2 bikes na space star e outras 2 nas barras da carrinha do Tó, qualquer um fica desanimado.


"isto com body armour é outra conversa"



As pistas continuaram a fazer umas baixas entre o material e o pessoal. Ao Covas tocou uma corrente partida, que apesar de ser um problema relativamente comum, o meteu em ponto de rebuçado e voltou-se a ouvir por ali que "esta merda de desporto que custa 50 euros por descida / eu não tenho jeitinho nenhum / eu vou vender a bike e tirar o curso de queda livre". Depois de uns miminhos ficou mais animado. Já eu, que padecia de problemas com a guia de corrente que me faziam perder 5 minutos cada vez que saltava, fui brindado com duas quedas na ultima descida. Se na primeira, à pergunta da praxe respondi logo que estava tudo bem, na segunda, ia mais lançado e demorei mais tempo a responder e a fazer um "check".



"tá tudo bem... quer dizer... mais ou menos"



Para a semana que vem, e enquanto não nos decidimos a comprar uma carrinha, pode ser que o Covas arranje qualquer coisa... não sei... ouvi dizer...