hits from the bong:

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Bike Trip @ Maizena

Pois é pessoal, o muito aguardado post da ida do pessoal da G.A.S. a Maizena já é uma realidade.

Infelizmente a equipa não ia completa e faltava lá o nosso q
uerido Jay para nos acompanhar e avacalhar um bocado mais as coisas. E olhem que escrever "avacalhar" não é coincidência...

Depois de algumas confusões acerca dos meios de transporte a utilizar nesta longa jornada que nos esperava pela frente, lá ficou decidido que iríamos de "Space-Star" e de Kia. Eram 20.00 quando arrancámos mal sabendo nós o que nos aguardava...

A viagem em terras lusas até foi pacífica, à base de algumas conversas pelos "toki-toki" e com algumas paragens estratégicas para recarregar os habitáculos com Red Bull e comer qualquer coisa. O engraçado era ver o Kia a colar-se à traseira da SpaceStar cada vez que passávamos numa portagem. É que segundo o Carlos, assim só se paga o valor de um carro. Será?!

No preciso momento que eu e o Sub passávamos a fronteira entre Chaves e terras de nuestros hermanos dá-se o momento mais surreal da trip: começa a tocar uma espanholada no carro! Era o Tó e o Carlos que tinham decidido animar um bocado a vi
agem ao meterem uma música de tourada a tocar no telemóvel e a transmitir pelos walkie-talkie's!!!
Escusado será alongar-me muito a falar dos últimos 90 kms da viagem. É que demorámos qualquer coisa como 1 hora e 40...
Depois de muitos kms em 3ª e de muitas curvas feitas s
eguindo as indicações de 3 GPS's, lá chegámos à Estación de Montanha de Manzaneda. Eram 4.15 locais e o galego que estava à nossa espera estava mais a dormir que nós e deu-nos a chave errada!! Não deviam ser menos de 5.30 quando se apagou a luz com a promessa de um dia seguinte cheio de descidas e saltos.

Toca o despertador e tá tudo a levantar!! Até o Sub se levantou num instante, coisa que não é lá muito comum... Já não via reprises destas deste o tempo da Kadoc!!
Fomos tomar o desayuno e eu tive logo que marcar a presença do tugas ao desatinar com a espanhola que nos trouxe os croissaints que o Su
b tanto gostou. Resolvida a questão, voltámos ao quarto para nos equipar e para atestar os depósitos. Uns encheram os camelback com Red Bull enquanto outros simplesmente encheram os capacetes. Equipados a rigor e com os forfait's comprados, sentámos-nos na primeira cadeira de teleférico que apareceu à frente e lá fomos nós montanha acima.
A coqueluche.

Entre saltos em velocidade, singletracks onde se atingiram mais de 50 km's/h, curvas para todos os gostos, shores que até o Sub achou fáceis e gaps. Sim, gaps!! Desde gaps com metro e meio de comprimento até road gaps que já impunham algum respeito lá fizemos 14 descidas. E que 14 descidas!!

Da parte manhã fomos descobrindo quase a totalidade das pistas
e a maioria dos obstáculos e devo dizer que o nível não é assim tão elevado como pintavam. Passo a enunciar aquilo que me ficou mais na memória:
- logo ao início um salto de madeira que devo dizer já "amandava um ganda voo" com um singletrack com mais de 200m onde chegámos a atingir acima dos 50km's/h. Minhas ricas mãos e minha rica peidola...
- chegados a uma "trifurcação" (paragem quase sempre obrigatória) decidíamos
por onde ir: Avalancha, Carqueixa ou Bidueiro.
- sem precisar em que pista, depois disto eram curvas, vacas, um pequeno duplo, um valente salto de madeira, vacas, um shore/rampa bem empinada a terminar em salto e com uma curva brutal logo de seguida, saltos de madeira com uns belos palmos de altura, mais shores e alguns drops (dos quais um que ninguém fez). Pois, e vacas. Vacas por todo o lado. Ele era vacas nomeio dos trilhos, à saída das curvas e até em cima dos shores!!
- um salto/drop de metro e tal com um gap com mais de metro e meio que se fez sem sequer se saber que lá estava, mais vacas, um shore largo a termin
ar num salto para uma rampa e com um gap pelo meio, zonas de trialeira, verticais em pedra mesmo à medida das mãozinhas do ausente Jay, porrada e mais porrada... Ah, ainda não vos tinha falado da porrada? Pois é, é tudo muito giro mas é duro. É porrada com fartura nos bracinhos, nas mãos e nas perninhas. É que em final de temporada aquilo já estava um bocado escavado dos meninos que vão para lá derrapar com o pneu de trás e depois quem sofre é o corpinho dos prós como nós.
- o north shore que me ficou entalado na garganta e que o Flying Tó teve que fazer para a despedida no domingo. North shore este que se elevava a mais de 3 metros do chão e que terminava num drop para uma rampa de madeira. Ah ganda Tó!! (n.a.: a esta altura ouvimamos o Sub a dizer: "Fdx mas um gajo saiu das árvores há mais de 300.000 anos para agora se meter a andar de bicicleta em cima delas!?")
- e dois road gaps. Dois road gaps estes que tanto eu como o Tó nos fartámos de fazer!! Foi a minha vitória. Jay, garanto-te que por mais que uma vez me lembrei de ti no preciso momento em que ia no ar. Para a próxima é a ti que vamos ver sacar aquel
es road gaps bem à tua medida. Mais, vamos lá voltar e dessa vez vou ter quem me faça companhia na execução de um projecto completamente louco. Vamos buscar uma vaca com uma corda e coloca-mo-la exactamente por baixo do road gap. Depois é só ganhar balanço e tirar a foto do salto, major lol!!
Só lhe falta lá a vaca...

Camón!!

No meio disto tudo e depois de conhecermos o Alistair, um escocês que vive em espanha, já viveu em lisboa, tem um cão chamado Doyle encontrado na linha de Sintra que é 5 estrelas e que conhece o pessoal da militia e os trilhos da Malveira, fomos fazer a última e fatídica descida do primeiro dia. Fatídica porque tanto eu como o Sub fomos provar a dureza do solo galego. Eu ainda me assustei com o pulso mas felizmente não era nada que um anti-inflamatório e bastante gelo não resolvessem. Pior mesmo foi o Sub que caiu com o peito sobre um calhau e não resistiu aos ferimentos... Ao segundo dia tínhamos uma baixa de peso.

Killed in action...

À noite houve tempo para ver as fotos e os vídeos do dia e para descansar para o dia seguinte.
No segundo dia, mais do mesmo. Desta vez com o tempo sempre a ameaçar lluvia mas com o piso mais compacto e mais rápido. Tanto ameaçou que ao fi
m do dia choveu mesmo à grande e à francesa.
O Tó ainda conseguiu ser protagonista de um momento insólito quando não conseguiu encaixar a bota no pedal e enfiou o pé na roda da frente. Resultado: 3 raios partidos e uma ida às boxes para trocar de roda e deixar a Plunder. Sim, que eu neste dia ainda andei a ensinar a "malagueta" a fazer uns road gaps valentes!!

Terminado o dia fui mais o Carlos dar um mergulho na piscina interior e depois fomos jantar e chular uma hora de internet à pala do hotel.
As máquinas nas boxes.

Segunda feira foi levantar, arrumar e arrancar. É que lembrando-nos nós do sacrifício que foi a viagem de ida, quanto mais cedo cá chegássemos melhor...

A viagem para baixo tem pouca história. Foi feita debaixo de chuva, com algumas paragens para os famosos Red Bull's e com o conta quilómetros quase sempre acima dos 140.

Largada a carga e os passageiros em cada paragem, despedimos-nos com saudades e com a promessa de lá voltar no primeiro fim de semana da próxima temporada. Meninos, comecem a pensar em meios de transporte porque para o ano que vem somos no mínimo 5.


T

ps: peço desculpa pelo longo post que aqui deixo mas era o mínimo que eu podia fazer para tentar transmitir ao nosso notado ausente aquilo que foi a nossa bike trip. Muito ficou por contar.
ps2: o Sub aconselhou-me a escrever o texto e a esperar pelas restantes fotos. Decidi escrever já, colocar apenas algumas fotos que tenho e assim que tiver mais encho o blog com elas. Hehehe!!

Mais fotos aqui.