hits from the bong:

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

G.A.S. by foot



pois é... mais um post mais uma crónica onde bicicleta não entra!

foi no passado domingo que decorreu a 30º corrida do Tejo, e desta vez como não aconteceu nas anteriores 29 edições, apresentei-me na partida com o frontal nº9115 prontinho a correr os 10km que ligam Algés a Carcavelos sempre lado a lado com a margem que interessa do maior rio ibérico!

como objectivo principal para a minha participação tinha em mente conseguir fazer os 10km em menos de 60mikes. no entanto com passar dos treinos redefini o meu objectivo para 50 minutos ou seja menos de 5 minutos por km, durante os 10km! este sim um objectivo engraçado e para já ambicioso, qd comecei nesta brincadeira do desporto mais democrático do mundo, fazia 7' por km, passado uns poucos meses reduzir em 2' por km é sem duvida ambicioso!

pois bem meus amigos digo-vos que não consegui por 27segundos!
tempo de prova (chip):50'27''

foi a 1ªvez que falhei um objectivo desportivo que dependa exclusivamente de mim!!
mas se porventura pensam que deitou abaixo, pois enganem-se agora ainda tou com mais fome e vontade de sair porta fora e começar a treinar mais e principalmente melhor!!

da prova em si pouco a dizer, tirando o brutal efeito duma marginal cheia de pessoas com camisolas iguais que dá sempre um colorido diferente, este ano a cor era verde fluorescente! ha claro e os comboios mais cheios que qualquer composição que circule ás 8:30 num qualquer dia util!

abrçs e boas pedaladelas


deixo-vos o link para da classificação e procurem pelo dorsal 9115 e nao se esqueçam que eram 10.000 pessoas!!!

http://www.corridadotejo.com/html/resultados/index.html?year=2010

terça-feira, 12 de outubro de 2010

GAS @ Avalanche 2010

Pessoal, aqui fica o relato da investida da GAS na "meca do btt" nacional que os companheiros de armas Carlos e Flying Tó fizeram!


Como é habitue a pontualidade britânica não falhou e às 18.30 pm o Kia (sem o Scoupé atrás) estava carregadinho até ao tecto, conversa puxa conversa lá voltamos atrás para vir buscar mais coisitas, bom na verdade só conseguimos sair de Lisboa ás 19.30 pm. Direitos á A8, que por norma não tem trânsito, desta vez estava carregadinha de mentecaptos que travavam por tudo e por nada. Portagem após portagem sentimos alguma nostalgia de não roçarmos o para-choques da Mitsubishi Space Star, mas melhores dias virão!!! Tendo como dead line as 22.00 h para chegar ao Parque de Campismo de Serpins, era imperioso que as RPM’S andassem acima do limite exigido por lei, assistidos via GPS (Global Position Sucks), lá viramos para Condeixa e…e por ali ficámos algum tempo… andámos a conhecer a região, Casal Novo, Beiçudo, Bem da fé, até que lá embicamos em direcção á Lousã para a próxima curta metragem, não fosse a ajuda da pareja do Tó e da Raquel do Parque de Serpins ainda andávamos á procura do Norte, às 22.00 h estávamos a fazer o chek-in . Tenda armada só faltava encher o bandulho , 22.30 h onde comer? Lá arrancamos por sugestão da Raquel e fomos ao restaurante da D. Fátima que só tinha chanfana, claro que ambos concordamos que morria (e eu que não gosto daquilo soube-me a pato), agora é preciso ter cuidado, a unidade de medida metro desta gente tem outro significado, pois andámos e andámos, até pensarmos que estávamos perdidos novamente. Bom, sopinha de couve branca (G.A.S.), chanfana, sobremesas, água e dois cafés…conta!…16€… diz o Tó…a cada um? Não os dois…não preciso de dizer mais nada…calidad suprema!!! A caminhada de volta á tenda revelou-se bastante útil á digestão.


As vipers!


Depois de uma noite bem atribulada em que o sino tocava de meia em meia hora e um Galo com problemas emocionais cantava a partir das 4 da manhã acordamos pior do que se estivéssemos com uma ressaca…ainda procurámos o dito espécime mas o tipo pirou-se e nem sequer atreveu-se na noite a seguir. Viper’s montadas lá seguimos em direcção á Lousã com uma pequena paragem na Casa do Pão…e que casa, tudo fabrico caseiro, até a menina que servia, só vendo e provando!!! Chegados á nave de exposições, inscrição e toma lá os dorsais 354 e 355. Ponto de partida, vazio, fomos os primeiros a chegar, meia hora depois lá estavam elas ao molhe na camioneta e nós na outra, 30 a 40 minutos e algumas 352 curvas lá chegámos ao topo. Paisagem brutal, mas com tantas curvas quase todos foram dar água às Oliveiras…


Lá em cima está o tiroliroliro, lá em baixo está o tinóni


Capacete, joelheiras, luvas…e lá fomos nós…é óbvio que deixei de ver o Tó que atingiu prontamente os 74 km por hora, após alguns estradões entravámos em trilhos bem ao jeito de Sintra, rápidos e com muitas flores em forma de pinheiro… Trilho após trilho, o meu ritmo era cada vez mais frenético (mas ao contrário) apenas era incomodado por alguns engraçadinhos que faziam sinais de luzes para passar, sempre que via o asfalto lá parava á procura da garrafa de oxigénio, até que Voilá paro ao pé da ambulância da Lousã…Enquanto procurava paz de espírito e questionava-me o que raio estava ali a fazer aproximou-se um individuo que dirigiu-me a palavra…Você é o 354?…confesso que tive de olhar para o dorsal para assentir ao comentário, Sim sou! É que o 355 o seu colega está na ambulância! O oxigénio era pouco e só depois de ele me indicar a Viper do Tó é que percebi…e ele está bem? Sim agora está, furou a mão mas está bem, vai para o Hospital de Coimbra e leva a mochila com ele…ao que respondi, está bem! eu depois ligo para saber como está, a 3 metros do veículo de emergência e nem levantei o dito cujo do selim, virei a Viper e segui trilho abaixo…surreal, mas acreditem mais um pouco e não sabia sequer o meu nome!!!


DH à antiga, quase a bater os 80! A mão ligada, conta o resto da história...


O individuo que não fazia parte da organização foi impecável e levou todo o material do Flying Tó até ao Padock, um grande bem haja!!! Ao que parece e pelo que vi nas filmagens da Eurosprt HD a roda da frente bateu, prendeu e tentou enviar o Tó para espaço sideral, ágil como uma lebre, este agarrou-se prontamente a um pinheiro que na parte de trás tinha um tronco do tamanho de um dedo que furou-lhe a mão, segundo o médico foi o tendão que impediu que furasse de um lado ao outro. O furanço foi de tal modo que teve de fazer força para tirar a mão do pinheiro que entretanto foi indiciado pelas autoridades competentes para comparecer em tribunal.


Transportes colectivos da Lousã


Notas positivas:

Serra da Lousã: grande potencial, alternativa nacional de luxo aqui bem perto de nós;

Serviços de emergência da Lousã: impecáveis;

Hospital de Coimbra: 5 estrelas (fizeram o penso de forma a que o Tó não conseguisse agarrar o punho!);

Notas negativas:

Concerto dos U2: completamente desajustado no tempo e espaço (desculpem-me os fãns mas quem levou com o galo a noite toda fui eu);

Montanha clube: aqui vai uma nota bem negativa para a falta de seguro para o dia de treino, segundo a Federação a partir do momento em que é entregue o dorsal o seguro terá de garantir todos os danos pessoais, até porque havia transporte e pessoal da organização por todo o percurso. A ser verdade a falta de seguro perguntamo-nos como é possível as autoridades competentes deixarem este pormenor passar ao lado. Entretanto o Tó dará notícias sobre o desfecho deste imbróglio.


Desculpem o post tão longo mas espero que tenham ficado com formigueiro para combinar uma ida á Lousã.

P.S. No jantar de sábado disseram-nos que era já ali o restaurante, não vacilámos e fomos de carro…ficava a uns 5 ou 6 km…sopinha de feijão encarnado (G.A.S.), carne assada no forno, sobremesas, água, cerveja, 2 cestos de broa mal cozida, 2 cafés, 1 licor beirão e uma broa para cada um…a conta!...18 €…diz o Tó…a cada um…Lol