hits from the bong:

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Teaser

Há já alguns anos que se realiza um evento de bicicletas no coração dos alpes, na região fronteiriça entre a França e a Suiça. Podíamos, por causa dos dorsais, ser levados a crer que se trata de uma corrida, mas numa corrida não há pessoal a meio a parar para ir beber uma cervejola e comer uns petiscos. Podia-se chamar de “festa alpina de mountain bikers”, mas com 80kms para fazer em 10h, ou passas a noite na montanha, não estou a ver motivos para grandes festas. Podia ser chamado de passeio, mas num passeio não costumas ver o Nico Vouilloz e a Anne Caroline Chausson a subir ao pódio no fim do dia. Podia-se chamar de “feira de mountain bikes”, mas os stands que estão montados ao longo da prova têm, em vez de bikes e componentes, todo o tipo de iguarias regionais... baguettes com queijos franceses e presunto, raclettes, salsichas alpinas, chocolate suiço, fondues e muita cerveja. Portanto, à falta de melhor definição, vamos chamar isto pelo nome: Pass’portes du Soleil.

 can i have a beer please?

O Pass’portes du Soleil é um evento realizado na maior rede de trilhos para bicicletas de montanha da Europa (650kms!!), uma zona situada entre a Suíça e a França chamada Portes du Soleil, que inclui alguns bike parks mais emblemáticos da europa: Les Gets e Morzine na França e Champéry e Morgins na Suiça . O traçado da prova, percorre num só dia 80kms no meio dos Alpes, atravessando por diversas vezes a fronteira. Para aqueles que neste momento estão a pensar que eu não sou gajo para estar tão entusiasmado com uma epopeia de 80kms em terreno fortemente acidentado, vou dar o detalhe mais importante, que já se adivinhava pelos nomes que eu disse que subiram ao pódio: trata-se de um evento de "gravity", e estes 80kms são feitos com a ajuda de 14(!) teleféricos e têm cerca de 6500m de desnível negativo acumulado!! Sim, leram bem bros!! Seis mil e quinhentos metros a descer. 

 this view takes all my words for another smart ass comment

Mas não se enganem, não é nenhum passeio. Há ciclistas de estrada profissionais que confessam que ao início subvalorizaram o esforço envolvido e depois sentiram dificuldades em terminar a prova. Mas isso são ciclistas de estrada. Nós, que temos alguma experiência em MTBs no geral e descidas em particular, sabemos bem que 80kms a descer, com 6500m para "gastar" não é uma coisa que se adivinhe fácil. Para além disso, ao passar o dia entre os 1000 e os 3000m de altitude, em esforço, é inevitável que o ar rarefeito da montanha acrescente alguma dificuldade à coisa. Há opções de 30kms e 45kms, mas o verdadeiro Pass’portes é de 80kms.


it's not for the faint of heart


E é por isso que este teaser chega quase um ano antes de se realizar o dito evento (27, 28 e 29 Junho do próximo ano). Para além da logística que está implicada numa deslocação a Les Gets, este é o tipo de coisa que exige alguma preparação física e portanto, se se quiser disfrutar realmente do ride, há que começar a encher e acumular kms.

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Seven is the new six



Cuidado rapazes, porque ultimamente, acerto nas previsões todas. E a de hoje, é mais uma "fracturante".
O enduro já está aí com força competitiva e a agitar a indústria das bicicletas. E assim vai continuar, porque a indústria decidiu que os enduristas são os seus test dummies preferidos para a panóplia de coisas novas que vai inventando… seja o tamanho das rodas, seja isto ou aquilo "ajustável", capacetes com abordagens completamente diferentes das tradicionais, sejam formatos de competição esquisitos inspirados no rallys, sejam selins que sobem e descem… seja lá o que for, parece que tudo assenta aos enduristas. E como os enduristas têm um andamento multifacetado e são os únicos que conseguem testar todas as condições possíveis numa voltinha de 10kms, são as vitimas preferidas do departamento de engenharia das marcas.

e se em vez de termo-nucleares tivesse feito bikes?

E os engenheiros têm vindo a introduzir mais um conceito que vai abanar tudo outra vez, as bikes de super enduro. E o super enduro, para além de ser um novo enduro, é também o novo freeride. Porque na verdade, o freeride já tinha deixado de o ser, primeiro com o Big Mountain (ou extreme freeride como alguns chamavam) e depois com a introdução do slopestyle, que não é mais do que  reflexo competitivo daquilo que há uns anos atrás chamávamos de “freeride north shore”, outra sub-modalidade do freeride.

 longe vão os tempos dos "low speed skills"

Com tanto nome e etiqueta não é fácil, mas se passarmos este problema para números talvez o consigamos entender. Até há pouco tempo a fasquia das 6 polegadas de curso traseiro era uma característica que abundava entre as bikes de All Mountain. Só que o All Mountain era um vazio competitivo, e mais que uma modalidade, era um conceito. E o conceito era ir a todo o lado com a mesma bike. Mas entretanto surgiu a vertente competitiva, o formato que chamamos de enduro, um formato de prova que não lembraria a nenhum ciclista, absolutamente inspirado nos rallys, e esse privilegia exclusivamente as descidas. Ora os atletas cedo perceberam que mais valia suar um bocado mais nos corta-fogos que dão acesso ao gate da especial seguinte e depois dispor de uma verdadeira máquina de descida, do que ter uma bike que sobe bem quando ninguém está a contar o tempo e que depois se borra toda nas trialeiras da especiais. E começamos a ver os 150mm a subirem para 160, 165, por aí fora até às 7 polegadas, que eram o "número" das bikes de freeride. E de repente, os engenheiros olham para o catálogo de 2013, reparam que têm duas bikes com o mesmo curso, com o mesmo ângulo de direcção, e cuja única diferença é o peso e a "blindagem". E os engenheiros percebem rapidamente que aquilo, assim,  vai dar merda. Vão de mansinho falar com o departamento comercial lá da fábrica, que fica furioso, chama-lhes atrasados mentais e pergunta o que é que agora vai fazer com duas bikes iguais. Os engenheiros, que são gajos cheios de soluções para problemas que eles próprios arranjam, sugerem que se deite fora o "panzer" de freeride, porque já ninguém se lembra do Richie Schley a fazer skinnys de 1km, nem do Bender a matar-se  encosta abaixo e porque no evento máximo do freeride mundial, o Red Bull Rampage, ninguém usa bikes de freeride. E a alguns marketeers faz-se luz, veem a oportunidade de recomeçar a vender o segmento dos 180mm que estava em declínio há uns anos, e começamos a ver por aí muitos catálogos em que já não há bikes de freeride, o que há é bikes  de super-enduro, gravity bikes, allrounders, "park bikes" e chavões do género, que no fundo apontam todos para os mesmos bichos de 180mm e 13kg capazes de tudo e mais alguma coisa.

  
Vamos lá espremer mais 10 milimetros disto...

Mas e a nós, onde é que isto nos deixa? Bem, a prazo vai deixar-nos sem bikes "só" de freeride, mas mete-nos nas mãos, máquinas altamente pedaláveis, que podes levar a qualquer bike park sem a preocupação de levar um saco onde colocar as peças que ficam pelo caminho. Adicionalmente, coloca o enduro definitivamente, como uma disciplina de gravidade, e fica claro que o que conta, é a descer. E pelo meio, ainda cria a dúvida ao pessoal do downhill, que perante um traçado sinuoso e de dificuldade técnica um pouco mais baixa, vai começar a olhar para a bike de super-enduro que por acaso também está na carrinha, e se vai por a pensar se não será que aquela bike, mais leve, com mais resposta e mais ágil, não será uma melhor opção para aquela pista. E isto pode abrir o precedente de considerar o enduro uma espécie de “downhill com bikes de coroa simples” ou “downhill sem transportes", o que é muito redutor e demasiadamente longe do conceito do All-Mountain que esteve na origem do enduro enquanto vertente competitiva. E como os engenheiros continuam cheios de ideias, começamos a ouvir uns sussuros a perguntar… "será que o oito vai ser o novo seis?"


You never know what they'll come up with...