hits from the bong:

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Status: Killed in Action


Pois é meus senhores, o DH de Belas continua a fazer baixas… e quando poupa os pilotos, ataca o material.


Era Sábado de manhã, e estava um dia lindo, perfeito para ir dar uns saltos e fazer umas descidas. Lá fui com o Covas até Belas fazer a “voltinha do costume” logo pela manha. Depois da passagem por algumas das zonas obrigatórias da mata de Belas, subimos até ao marco geodésico para fazer o trilho de DH. Até que começou tudo bem, com os 2 primeiros saltos muito limpinhos e com a trialeira sem oferecer dificuldades. Chegados ao drop da pedra, resolvemos parar, pois tínhamos indicação de que anda lá pessoal a finalizar um trilho alternativo. Procuramos o tal trilho, mas não encontrámos nada. Ou nos deram indicações erradas, ou a tal alternativa ainda não chegou ali…


Depois de varias quedas por ali abaixo e de uma descida muito fraquinha, resolvemos voltar a subir para fazer mais uma, desta vez pelo “trilho do deserto”. Quando chegámos à zona do “duplo do punhetas” parámos para reagrupar e quando nos preparávamos para mais uma secção, eis que nos apercebemos da desgraça que estava ali montada: o Covas começa a queixar-se de que “está aqui alguma coisa esquisita na bike”. E realmente tinha razão, a coisa esquisita era só o quadro partido, entre o tubo superior e o tubo da direcção… nem queríamos acreditar no que víamos. Já tínhamos ouvido falar que primeiras Curve tinham tendência a partir, mas custou muito confirmar a veracidade do boato. Foi um final de dia muito triste e mais uma vez, saímos da mata de Belas com uma das bikes pela mão...



K.I.A.






segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Kona do pai

Dizem que os homens pensam muito em sexo. Até é verdade, mas por vezes a má interpretação das palavras também pode levar a uma ideia errada. Quem ouvisse as nossas conversas de sábado de manhã podia ficar com a sensação que estavam ali uns gajos com problemas sexuais, mas não. Estávamos eufóricos, mas era por causa da Kona do JP. Ainda ninguém a conhecia e estava tudo curioso de ver como era. Não defraudou as expectativas e tenho a dizer que é uma linda Kona, muito flexível e com um grande curso de traseira. Dizem que é “stinky”, mas não há cá Konas mal cheirosas. Como qualquer Kona que se preze, fez-se difícil até finalmente se entregar ao novo dono, como explicarei mais à frente… (depois deste bocadinho a explorar a mais antiga piadinha do “BTT” português, vamos mas é ao que interessa)



Kona do avesso



O Jay tem uma bike nova, uma Kona Stinky. E que parto difícil que foi… a 1ª tentativa de envio falhou, e depois de ter voltado ao antigo dono porque o peso / medidas excediam os limites dos CTT, na 5ª feira à noite lá entregaram o famigerado “postal” ao Jay a indicar que tinha uma encomenda nos correios. Depois da suada vitória do SLB, não podia haver melhor noticia. O problema é que na 6ª feira, não estava nos correios. E não só não estava lá, como ninguém sabia onde estava. À hora de almoço, já o JP estava a ficar um bocado em pânico com a coisa, e decidi ligar para os CTT para saber “onde estava a bicicleta do meu atleta, que tinha uma prova amanha, já estava inscrito e com o seguro pago”. Posso não andar um corno, mas o papel de manager assenta-me que nem uma luva!! Lá para as 19h lá disseram ao JP que lhe iam entregar a bike a casa, mas que tinha de pagar em cheque. Mais um filme… lá se arranjou o cheque e quando chegou o carteiro, afinal era para pagar em dinheiro. Felizmente não foi impedimento, e o novo brinquedo ficou no novo dono.



"A minha Kona é linda, não é?"



No Sábado, o Jay levou a Kona a conhecer as novas amigas, e fomos todos para a Malveira. Claro que o Jay estava com um daqueles sorrisos que um gajo quase que paga para ver. Ficou um bocado triste de ser logo ele a ficar com o “mini bus”, mas já se sabe que na Malveira, o ultimo a chegar é sempre o que se lixa. Na 1ª descida fui eu e o Telmo, mas aquilo foi muito a medo, já não íamos à Malveira desde aquele fatídico dia com o pessoal do CPFR que se saldou em muitas mazelas, especialmente na confiança e auto-estima! A seguir lá foi o JP com a sua menina. Não me lembro bem do que ele disse quando chegou lá abaixo, mas foi qualquer coisa no sentido de “isto é outra dimensão”. Fizemos mais umas tantas descidas, cada vez se estava a andar mais rápido e claro que as quedas tinham de aparecer (sem consequências). Apesar disso, o dia acabou em grande, com o Jay a mandar-se sem medos ao 2º voador. Estava eu com o carro cá em baixo quando aparece o JP assim do nada, com um sorriso que dava para ver atrás do capacete… só podia ter sido uma “descida louca”. Gostei mesmo de ver, imagino quando estiver com os travões afinados!! Temos um rider com a confiança no máximo. Desaconselho vivamente os restantes a tentarem acompanhar este menino durante os próximos tempos… o rapaz está com fogo na Kona. Parabéns pela aquisição meu velho!!!



"Jay, olha aí que tens a Kona no chão"




No Domingo fui com o Covas até Belas. Foi a voltinha habitual, a passar nos spots e saltos “obrigatórios” lá da mata de Belas, até chegar ao marco geodésico onde começa o trilho de DH. Andámos lá a fazer uns saltos até que resolvemos descer o trilho todo de seguida. Eu tinha avisado que aquele trilho de Belas ia fazer umas baixas, o que eu não previ é que ia tocar tantas vezes ao mesmo. Depois de uma queda aparatosa na semana passada que me rebentou com a transmissão, eis que regresso ao meu spot preferido: o chão. E regressei cheio de pressa e cheio de slopstyle, tal foi o “frontflip no foot”… magoei-me um bocado, mas nada de ortopédico. Na descida seguinte, foi a vez do Covas cair na recepção do salto da árvore. A queda foi tal que o guarda florestal saiu lá da casinha para ver se estava tudo bem, e felizmente estava. Para finalizar, na “descida do deserto”, furei e a partir daí deixei de andar de bicicleta para andar com a bicicleta. Enfim, teria sido um dia terrível não fosse o facto de termos saído de lá a fazer um salto que ainda não fazíamos…




Não queria terminar este post sem desejar ao Jay uns grandes rides com a nova máquina. Custou, mas foi, e é mais que merecida!!



Abraços,

Sub