segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Muppets show!

Isto ultimamente tem sido rico em novidades, e para além dos "Marretas" estarem a ganhar forma, houve outra coisa que também ganhou forma... temos mais uma espanhola na família: Mondraker Plunder R. E que canhão que é. A "rotulagem" da bike no site oficial é bem explicita: Extreme Freeride. Mais nada, é mesmo assim. Toma lá, agarra nela e "Welcome to Utah".


Pró ano... rampage?


Eu, que tinha estado doente durante a semana não resisti ao apelo do Covas de ir experimentar a máquina nova, lá fui... a antibiotico e brufen e com umas amigdalas do tamanho de bolas de golfe, mas fui! Ainda estivemos a cavar um bocado, a montar mais um tronco no drop para a 2ª secção, e a preparar as coisas para o shore que passa em cima da vala. Mas o que queriamos era mesmo experimentar o canhão!



Test drive "2 em 1" - Nova bike num novo salto


O Covas foi estrear a sua nova máquina e regressou logo de sorriso montado. Andava ali um bocado a cavar, depois fazia uma descidinha e depois voltava ao trabalho. A seguir foi a minha vez e logo na 1ª descida deu logo para perceber que está ali bicicleta que nunca mais acaba... é dropar para flat com ela e nada, não se passa nada. E quando tiver uma suspensão mais adequada temos ali a "ultimate freeride machine". Parabens meu velho, que grande negocio que fizeste!!! Claro que com um brinquedo destes nas mãos, a vontade de cavar foi sendo cada vez menos e o fim da manhã foi só curtir e tirar umas fotos para eternizar o momento.



"deixa lá dar aí uma voltinha"



Neste ultimo fim de semana, voltámos à carga lá nas obras, esta semana voltámos a contar com o JP. Almoçámos bem cedo no Sábado e ao meio dia e picos já lá estávamos. O objectivo do dia era muito claro: fazer o shore por cima da vala, que fica apontado ao drop para a 2ª secção. Lá fomos, munidos com mochilas, comida, serrotes enxadas, e com os canhões (desses e dos outros). Eu continuo a achar que quem nos vê passar fica um bocado intrigado com aquilo... "quem serão aqueles agrociclistas?" ou "Será que são pastores newschool?" ou "Olha, aqueles vão cavar de capacete".

operários da reforma agrária



Chegados ao spot começámos logo a trabalhar, e num sincronismo perfeito: eu andava a mandar umas arvores abaixo, o JP a serrar à medida e o Covas a pregar. Apesar de ainda ter dado tempo para se irem fazendo umas descidas, estava tudo cego com o objectivo de terminar aquilo. No fundo, muito cedo percebemos que aquele shore ia tornar tudo diferente, e que o "dropzinho" feito com velocidade, já não era "dropzinho" nenhum...


take'em to the bridge



O Covas teve a tarefa de ser o test driver (ou test dummie se aquilo caisse), e a partir dali foi começar a abusar. Ainda fomos fazer umas descidas desde lá de cima, mas o petisco do dia era mesmo aquele drop. Depois de uns saltos a correrem bem e com a confiança em altas alguem disse "vamos lá subir a fasquia" e começaram-se a fazer saltos sem levar a mão aos travões. Estava lançada a parvoice, que só acabou com um grande tralho do JP, praticamente já no flat, que para além da queda ainda levou com a bicicleta na frente do capacete. Isto tudo sem colete, nem goggles... foi a 1ª vez que vi o JP a precisar de "esperar um bocadinho" até tirar o capacete (que tinha umas marcas valentes), mostrar as mazelas e levantar-se com esforço. Foi arrumar as coisas e vir embora que o dia já estava "feito"...

"vamos la elevar a fasquia"

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

trilho dos marretas

Já tem nome!!

É quando menos se espera que surgem os momentos de inspiração... No Sábado voltámos à reforma agrária em Belas, e depois de já nos ter assolado a questão "Qual o nome que vamos dar ao trilho?" o Covas começa a dizer que "este trilho é uma comédia, tem uns 6 saltos em 300 metros, isto parece o trilho dos marretas, mas ca granda palhaçada que aqui vai". E o que parece, as vezes é! Ou melhor, passou a ser. Trilho dos Marretas. Nem mais, está perfeito.


"Este trilho é mesmo uma comédia"


O problema é que são mesmo dois marretas que lá andam e aquilo está com uma engenharia de muito fraca qualidade. Ainda nos aventurámos a começar a fazer o que seria uma curva com releve. Que comédia... para começar ficou praticamente na recepção de um salto, depois, na primeira tentativa saí logo por cima do suposto releve, na 2ª tentativa o Covas caiu, e à 3ª tentativa, começámos foi a desfazer aquilo antes que alguém se aleijasse.


Mais um test drive... não pode ser só cavar!



Depois disto, começámos a fazer... mais um salto. É um dropzinho para a entrada da 2ª secção, que à medida a que se for aumentado em altura se vai transformar num drop a sério. Quando fomos ver as horas começa a tocar a sirene do meio dia, mas pelos menos aquele tinha de ficar terminado e testado. Para a semana vamos fazer a 1ª estrutura de madeira, que vai atravessar a vala e fazer a saida da 1ª secção. A avaliar pelo sucesso que foi a engenharia deste ultimo dia, aquilo deve cair nas primeiras 3 passagens...



É isso bro, aproveita enquanto não cai...




domingo, 2 de novembro de 2008

reforma agrária

Pois é, agora que temos uma burra a menos, enquanto não se resolve o "problema" na Curve R, sobram mãos para cavar, e fomos finalmente com as pás e as enxadas para a reforma agrária na mata de Belas. O Covas e eu andávamos com umas ideias para um mini trilho, com o início nas colmeias, que descesse para o lado Sul passando pelo aqueduto (que a seu tempo vai ser transformado num table). E foi com este desenho mental que lá chegámos, e as condições eram ainda melhores do que nós pensávamos. Não há por ali muita vegetação, há muitos saltos naturais, e praticamente foi só dar uma limpeza nos sítios onde vai passar o trilho.


o primeiro test drive


Almoçamos bem cedo no sábado e por volta da
s 13:30 já estávamos a pegar nas ferramentas e na minha bike para irmos lá para o spot. Ao fim de umas 2 horas, já tínhamos umas centenas de metros cicláveis, a aproveitar 2 saltos naturais que lá estavam e que foi só dar uma actualização cosmética nas recepções. Lá mais para o meio da tarde, apareceu o Jay que tinha ido buscar a bike à Decathlon... tinha ido lá para sangrar os travões e saiu de lá sem travões de todo.


desde os tempos de liceu... é sempre o último a chegar!


Enganam-se os que pensam que a partir daí tivemos mais um par de mãos, porque o trabalho mais duro da tarde estava já quase feito menos o enchimento de um drop, no final da 1ª secção, que quando o Jay chegou já ia a meio. Mas soube b
em ter ali alguém a picar a terra para se tirar mais facilmente com a pá! Mesmo no cair do pano, ainda apareceu o Carlos que também anda num projecto de trilho que vai fazer de alternativa para Norte no trilho do CDBelas. E parece que já há shores de 15 metros...

drop 2 flat(!)


Quanto ao trilho propriamente dito,
ficou praticamente desenhada a 1ª de três secções. Estes primeiros metros são muito rápidos e fluidos, se calhar até fluidos demais. Na abordagem ao salto maior tem de se tirar muita velocidade, porque se não, vão haver ali voos à Pastrana. Enfim, o trilho está a pedir umas curvas rápidas com releve, mas primeiro vamos desenhar a linha toda, ver como fica e fazer as alterações que formos achando necessárias e que só se notam quando lá passarmos umas vezes de bike.


Carlos . Covas . Jay