hits from the bong:

quarta-feira, 27 de abril de 2011

DH no quintal

Pois é senhores, desta vez, foi a “montanha” que veio até nós. Isto porque, tivemos uma prova de DHU aqui mesmo ao lado de casa, na Quinta da Samaritana em Belas. A notícia em si é um pouco “estranha”, pois por um lado, Belas não é propriamente uma cidade altaneira ou onde se verifiquem inclinações acentuadas, e por outro, com tantos bons trilhos ali mesmo ao lado na mata de Belas, optou-se pela variação “urbana” do nosso desporto. Eu sou adepto do “ride on dirt”, mas enfim, antes um DHU do que DH nenhum…

Esta prova, que contou com o apoio da JFBelas, Amazing (bikes ou café), teve também o dedo dos traibuilders mais activos de Belas, a Maus Caminhos Team, que ainda andou por lá a marcar o percurso e a construir um salto na chegada a meta. Tenho-vos a dizer que o percurso foi para mim uma verdadeira surpresa, pois nunca imaginaria que se conseguisse fazer um circuito com 2 minutos e picos naquela zona, mas a verdade é que conseguiram.


Apesar dos amigos “kamikas” terem solicitado a minha presença em cima de 2 rodas, e apesar da certeza de que ali não ia haver trilhos kamikas como em Sintra, apenas compareci como espectador. E desta vez nem foi por andar borradinho, foi mesmo porque não dava jeito nenhum ir fazer descidas as 2 da tarde naquele dia. Mas apesar de não ter ido raidar, fui la dar o meu apoio à turma e ver qual era o precurso. Depois de ter visto boa parte dos treinos, deixei as melhores sortes para todos e fui a outros compromissos (“cenas”, na linguagem do nosso Jay).


Fica a menção honrosa ao nosso FT, que ficou a meio minuto do Amarelo!!!


quarta-feira, 6 de abril de 2011

100º post - GAS @ Belas

A pedido de várias famílias, incluindo a minha, sai então o “post que faltava”, de uma ida ali a Belas com o Telmo… Como diz o FT, e bem, os desafios para ir a Sintra e Turcifal têm-se sucedido, mas ora vida não permite, ora não apetece. Por enquanto temo-nos mantido fieis a descidas menos inclinadas e a subidas a pé, mas à medida que o tempo melhora, que os trilhos em Sintra vão secando e que a temperatura sobe para níveis que tornam as subidas a pé mais difíceis, cada vez apetece mais ir ter com a turma de Sintra.


Trilho da mine


Assim, num destes últimos Sábados de manhã, fui apanhar o Telmo a Belas e seguimos para a encosta Norte da mata. Depois de equipados, inicia-se a primeira descida, infelizmente a grande velocidade pelo alcatrão que desce até à figueira. Depois, há que subir até à entrada do trilhos, o que acaba por ser um belo aquecimento.


Os 2 estarolas


Primeira descida, trilho da mine, o mais acessível do catálogo disponível. Nada que enganar, é mesmo acessível. O roadgap é que continua por fazer e continuamos com dificuldades na já apelidada “curva manhosa”. Deve haver uma maneira inteligente de se fazer aquela curva com velocidade, mas ainda não a conseguimos descobrir, pelo que cada vez que lá passamos a abordagem é diferente. Estou certo que um dia um de nós vai acertar na trajectória e um novo mundo cheio de possibilidades se vai abrir à nossa frente.



Telmo no ar


Para variar de ares, a segunda foi pelos fetos. Também já não tem mistérios por desvendar. Aliás, ali em Belas a única coisa ainda por desvendar é uma linha nova que lá está meia paralela às mines. Sei que é mais uma obra dos “maus caminhos” mas ainda não houve vontade de ir desbravar o novo trilho.


Sub no ar



A última do dia voltou a incidir nas mines. Nós temos esperança de vir a conseguir sacar aquela curva como deve de ser, e quantas mais vezes tentarmos, melhor!! Fica já aqui prometido que quando o Telmo regressar das férias na neve, vamos mandar-nos ladeira abaixo com o pessoal da furiosa!! Quem sabe se o “zé maratonas” tira a ferrugem à stinky e nos acompanha!


Raminhos de eucalipto para os chás da avó


Abraços e até lá