sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Bike Trip @ Maizena

Pois é pessoal, o muito aguardado post da ida do pessoal da G.A.S. a Maizena já é uma realidade.

Infelizmente a equipa não ia completa e faltava lá o nosso q
uerido Jay para nos acompanhar e avacalhar um bocado mais as coisas. E olhem que escrever "avacalhar" não é coincidência...

Depois de algumas confusões acerca dos meios de transporte a utilizar nesta longa jornada que nos esperava pela frente, lá ficou decidido que iríamos de "Space-Star" e de Kia. Eram 20.00 quando arrancámos mal sabendo nós o que nos aguardava...

A viagem em terras lusas até foi pacífica, à base de algumas conversas pelos "toki-toki" e com algumas paragens estratégicas para recarregar os habitáculos com Red Bull e comer qualquer coisa. O engraçado era ver o Kia a colar-se à traseira da SpaceStar cada vez que passávamos numa portagem. É que segundo o Carlos, assim só se paga o valor de um carro. Será?!

No preciso momento que eu e o Sub passávamos a fronteira entre Chaves e terras de nuestros hermanos dá-se o momento mais surreal da trip: começa a tocar uma espanholada no carro! Era o Tó e o Carlos que tinham decidido animar um bocado a vi
agem ao meterem uma música de tourada a tocar no telemóvel e a transmitir pelos walkie-talkie's!!!
Escusado será alongar-me muito a falar dos últimos 90 kms da viagem. É que demorámos qualquer coisa como 1 hora e 40...
Depois de muitos kms em 3ª e de muitas curvas feitas s
eguindo as indicações de 3 GPS's, lá chegámos à Estación de Montanha de Manzaneda. Eram 4.15 locais e o galego que estava à nossa espera estava mais a dormir que nós e deu-nos a chave errada!! Não deviam ser menos de 5.30 quando se apagou a luz com a promessa de um dia seguinte cheio de descidas e saltos.

Toca o despertador e tá tudo a levantar!! Até o Sub se levantou num instante, coisa que não é lá muito comum... Já não via reprises destas deste o tempo da Kadoc!!
Fomos tomar o desayuno e eu tive logo que marcar a presença do tugas ao desatinar com a espanhola que nos trouxe os croissaints que o Su
b tanto gostou. Resolvida a questão, voltámos ao quarto para nos equipar e para atestar os depósitos. Uns encheram os camelback com Red Bull enquanto outros simplesmente encheram os capacetes. Equipados a rigor e com os forfait's comprados, sentámos-nos na primeira cadeira de teleférico que apareceu à frente e lá fomos nós montanha acima.
A coqueluche.

Entre saltos em velocidade, singletracks onde se atingiram mais de 50 km's/h, curvas para todos os gostos, shores que até o Sub achou fáceis e gaps. Sim, gaps!! Desde gaps com metro e meio de comprimento até road gaps que já impunham algum respeito lá fizemos 14 descidas. E que 14 descidas!!

Da parte manhã fomos descobrindo quase a totalidade das pistas
e a maioria dos obstáculos e devo dizer que o nível não é assim tão elevado como pintavam. Passo a enunciar aquilo que me ficou mais na memória:
- logo ao início um salto de madeira que devo dizer já "amandava um ganda voo" com um singletrack com mais de 200m onde chegámos a atingir acima dos 50km's/h. Minhas ricas mãos e minha rica peidola...
- chegados a uma "trifurcação" (paragem quase sempre obrigatória) decidíamos
por onde ir: Avalancha, Carqueixa ou Bidueiro.
- sem precisar em que pista, depois disto eram curvas, vacas, um pequeno duplo, um valente salto de madeira, vacas, um shore/rampa bem empinada a terminar em salto e com uma curva brutal logo de seguida, saltos de madeira com uns belos palmos de altura, mais shores e alguns drops (dos quais um que ninguém fez). Pois, e vacas. Vacas por todo o lado. Ele era vacas nomeio dos trilhos, à saída das curvas e até em cima dos shores!!
- um salto/drop de metro e tal com um gap com mais de metro e meio que se fez sem sequer se saber que lá estava, mais vacas, um shore largo a termin
ar num salto para uma rampa e com um gap pelo meio, zonas de trialeira, verticais em pedra mesmo à medida das mãozinhas do ausente Jay, porrada e mais porrada... Ah, ainda não vos tinha falado da porrada? Pois é, é tudo muito giro mas é duro. É porrada com fartura nos bracinhos, nas mãos e nas perninhas. É que em final de temporada aquilo já estava um bocado escavado dos meninos que vão para lá derrapar com o pneu de trás e depois quem sofre é o corpinho dos prós como nós.
- o north shore que me ficou entalado na garganta e que o Flying Tó teve que fazer para a despedida no domingo. North shore este que se elevava a mais de 3 metros do chão e que terminava num drop para uma rampa de madeira. Ah ganda Tó!! (n.a.: a esta altura ouvimamos o Sub a dizer: "Fdx mas um gajo saiu das árvores há mais de 300.000 anos para agora se meter a andar de bicicleta em cima delas!?")
- e dois road gaps. Dois road gaps estes que tanto eu como o Tó nos fartámos de fazer!! Foi a minha vitória. Jay, garanto-te que por mais que uma vez me lembrei de ti no preciso momento em que ia no ar. Para a próxima é a ti que vamos ver sacar aquel
es road gaps bem à tua medida. Mais, vamos lá voltar e dessa vez vou ter quem me faça companhia na execução de um projecto completamente louco. Vamos buscar uma vaca com uma corda e coloca-mo-la exactamente por baixo do road gap. Depois é só ganhar balanço e tirar a foto do salto, major lol!!
Só lhe falta lá a vaca...

Camón!!

No meio disto tudo e depois de conhecermos o Alistair, um escocês que vive em espanha, já viveu em lisboa, tem um cão chamado Doyle encontrado na linha de Sintra que é 5 estrelas e que conhece o pessoal da militia e os trilhos da Malveira, fomos fazer a última e fatídica descida do primeiro dia. Fatídica porque tanto eu como o Sub fomos provar a dureza do solo galego. Eu ainda me assustei com o pulso mas felizmente não era nada que um anti-inflamatório e bastante gelo não resolvessem. Pior mesmo foi o Sub que caiu com o peito sobre um calhau e não resistiu aos ferimentos... Ao segundo dia tínhamos uma baixa de peso.

Killed in action...

À noite houve tempo para ver as fotos e os vídeos do dia e para descansar para o dia seguinte.
No segundo dia, mais do mesmo. Desta vez com o tempo sempre a ameaçar lluvia mas com o piso mais compacto e mais rápido. Tanto ameaçou que ao fi
m do dia choveu mesmo à grande e à francesa.
O Tó ainda conseguiu ser protagonista de um momento insólito quando não conseguiu encaixar a bota no pedal e enfiou o pé na roda da frente. Resultado: 3 raios partidos e uma ida às boxes para trocar de roda e deixar a Plunder. Sim, que eu neste dia ainda andei a ensinar a "malagueta" a fazer uns road gaps valentes!!

Terminado o dia fui mais o Carlos dar um mergulho na piscina interior e depois fomos jantar e chular uma hora de internet à pala do hotel.
As máquinas nas boxes.

Segunda feira foi levantar, arrumar e arrancar. É que lembrando-nos nós do sacrifício que foi a viagem de ida, quanto mais cedo cá chegássemos melhor...

A viagem para baixo tem pouca história. Foi feita debaixo de chuva, com algumas paragens para os famosos Red Bull's e com o conta quilómetros quase sempre acima dos 140.

Largada a carga e os passageiros em cada paragem, despedimos-nos com saudades e com a promessa de lá voltar no primeiro fim de semana da próxima temporada. Meninos, comecem a pensar em meios de transporte porque para o ano que vem somos no mínimo 5.


T

ps: peço desculpa pelo longo post que aqui deixo mas era o mínimo que eu podia fazer para tentar transmitir ao nosso notado ausente aquilo que foi a nossa bike trip. Muito ficou por contar.
ps2: o Sub aconselhou-me a escrever o texto e a esperar pelas restantes fotos. Decidi escrever já, colocar apenas algumas fotos que tenho e assim que tiver mais encho o blog com elas. Hehehe!!

Mais fotos aqui.

15 comentários:

joao disse...

qual longo? lia mais tres paginas sem dar uma bafurada num valente cigarro!
consegi sentir a adrenalina que andava no ar em manzaneda. parabens pelo post e pelos progressos. a foto do salto da madeira (sem link para o programa da fatima lopes) atesta bem o q por la se fez!
mais uma vez vou marcar ferias a contar com essa viagem em maio ou junho!

quero mais fotos

TC disse...

Mano, só faltavas lá tu. Aquilo é mesmo feito à nossa medida.
Para o ano que vem é ver-te a sacar os saltos de madeira e os road-gaps que é um mimo.
Abreices

ps:o Sub é que tem as fotos. Assim que as tiver comigo passo para a net.

TC disse...

Ah e devias ter visto a cara do Carlos e do Sub quando no jantar de domingo leram que o prato era "filete" e foram pedir ao cozinheiro para lhes fazer carne porque não lhes apetecia peixe.
É que filete em castelhano é bife, e que bife!!

.: sub :. disse...

Granda post meu velho, e que granda trip que foi. Foi uma pena so ter oportunidade de vos acompanhar no 1º dia, tenho a certeza que se já nos andávamos a esticar assim no 1º dia, tinho ido ao vosso brutal roadgap no 2º. Mas para o ano há mais, disso tenho a certeza.

Jayzinho, pior que a minha queda foi a tua ausencia, não imaginas a quantidade de vezes em que interiormente sentimos a tua falta, e ainda mais foram as que exteriorizámos e comentámos entre nós "ai se o JP cá tivesse, ui ui".

Já ficou agendada uma ida à Lousã, vamos fazer coincidir isso com o teu regresso às "grandes pendentes" :)

beijinhos a todos,
sub

ps: covas, ja tenho aqui gravado um dvd com 5Gb de roadgaps, eheheh

Anónimo disse...

Desculpem que vos diga mas o bike parque de Manzaneda é para meninos, estou a brincar mas é verdade, fazer obstáculos de um bike parque com dificuldade reduzida não fazem de medíocre Rider o melhor, mas sim trilhos como os de Sintra nomeadamente “Morangos, Torgas ou Tuga Shore” isso sim é para homens de barba rija, claro que o bike parque é uma boa escola para evoluir e ganhar confiança mas não para fazer de vocês os melhores Riders, lamento mas a realidade é esta, espero que este comentário não desmoralize pelo contrário que se lancem a essa confiança que ganharam para novas aventuras.
Abraço.

TC disse...

Boas anónimo.
Sou da mesma opinião que tu. O Bike Park não é assim tão hardcore como falavam. Mas tendo em consideração que esta malta começou nestas andanças do FR e do DH há tão pouco tempo e já com esta idade, também não se pode pedir muito. Aos poucos vamos lá. ;-)
Sintra tem obstáculos mais desafiantes, sem dúvida.
Só há um problema: é que duas das pistas que falaste nem sei onde são... “Morangos e Torgas".
Estamos sempre abertos a sugestões e a convites. :-)

jay disse...

se bem vindo anonimo, espero que seja o 1º de muitos comentarios ao nosso blog.
nao somos os melhores do mundo mas com o nosso nivel de andamento qq que seja a evoluçao para nós é muito motivante, daí o natural e mais que justificado entusiasmo do post. cada vez que conseguimos fazer uma coisa nova (mais dificil q a anterior ou mais rapida que da ultima vez)para nós é uma pequena vitoria e faz-nos sentir o melhor raider\piloto da zona e arredores, claro que depois vemos um pro a fazer o mesmo e descemos á terra, mas o sentimento de vitoria por termos conseguido superar o medo do salto ou da velocidade sao bastante recompensadores!

ontem estrela bikepark,
hoje manzaneda,
amanha Utah!

aparece mais vezes


abrç
jay

Anónimo disse...

Acho bem que tenham e mantenham esse entusiasmo e a vossa evolução esteja sempre em alta.
Acho bem que procurem andar em Bikes park's mas as 2 opções que tiveram não foram as melhores (Serra da Estrela e Manzaneda)em Portugal têm melhores pistas e até bike park's embora no que vou falar não esteja oficializado (bike park Mondraker na Lousã mais propriamente Coentral) e muitas outras pistas espalhadas pelo nosso país.
Usem o http://www.freeridezone.net para encontrar pistas e spots.
Abraço.

.: sub :. disse...

Ai vem o sysadm dar a sua opinião... ao primeiro anónimo, a quem desde já agradeço o comentário, faço uma ressalva: o melhor rider não é o que salta mais longe, nem o que sobe mais rápido e sem esforço, nem o que desce mais depressa. Aqui na GAS, o melhor rider é o que se diverte mais. As restantes métricas deviam ser para quem compete ou gostava de o fazer. Gostamos muito de "andar de bicicleta" e muito pouco de "treinar". Tenho de concordar que Manzaneda é pouco exigente, mas para nós é perfeito... é pura diversão!
Quanto aos restantes trilhos de que aí se falou, são trilhos privados, e que os construiu gosta pouco de por lá ver outsiders.

Ao 2º anonimo, a quem igualmente agradeço a participação, tenho deconcordar com o que diz acerca da S. Estrela. È lamentável que aquilo esteja naquele estado. Já Manzaneda está uns furos acima de quase tudo o que vi em PT, e acho que está ali um bom bocado de pura diversão. Curiosamente, acertaram em cheio naquela que vai ser a próxima "tour" da GAS, que em principio rumará à Lousa.

Anónimo disse...

De facto a cena mais corajosa que apareceu neste blog é aquele jovem talento que até desce com a bike Queen. Q é feito desse "messi" da Gravity Assisted Sports? O homem com mais cultura táctica a descer uma montanha deste planeta!

.: sub :. disse...

Caro anónimo nº 3

é com pesar que informo que o Leonel da GAS se retirou com distinção deste desporto. Depois de ter ganho tudo o que havia para ganhar (incluindo alguns sustos), voltou-se para uma actividade igualmente radical que é fazer bébés!! Actualmente encontra-se em fase de estágio e contamos ter em breve mais uma senhora nas fileiras da GAS!

meu velho pa! Se tivesses dito "esse Cristiano Ronaldo da GAS" eu tinha ficado na dúvida de quem seria, mas puxaste logo pela "albi-celeste" e pela "cultura táctica". Só podias ser tu!!

abraços
sub

jay disse...

olha me este gajo....!
bem que me enganaste! rainha das bicicletes dum carail...


o bike queen?
nunca vi tamanho talento na modalidade, é o verdadeiro icone da "la gambeta" do DH.

Anónimo disse...

Eu também ando de bike para curtir e não faço competição, a única competição é entre amigos e acho que é saudável haver essa competição para que haja evolução.
Também não estou a dizer que são maus pelo contrario acho bem que se forcem em aumentar o vosso nível sempre a curtir.
O que eu acho é que vocês se limitam ao vosso grupo e para conhecer mais trilhos em Sintra ou noutro lado qualquer têm que se relacionar com o pessoal quer andem mais ou menos que vocês.
Embora o DH seja um desporto um pouco solitário quando em competição, por ser em contra relógio e o rider ter a pista só para si, já na parte que toca a curtir faz sentido quantos mais a descer uma encosta melhor e no final se ninguém se aleijou rirem-se uns dos outros.

Abraços e curtam

TC disse...

Caro anónimo.

Mais uma vez refiro que estamos sempre abertos a convites e a combinações.

Já percebeste que somos da zona de Sintra, por isso é só dizeres.

Abraços e bons rides

jay disse...

é uma viagem ja ha muito falada neste espaço, a ida á meca do Dh em portugal, a serra da lousã! mas antes de datas convem ir com alguém que conheça bem aqueles lados para servir de guia, porque no gps nem tudo aparece, por isso se o anonimo quiser patrocinar ou por-nos em contato com algum guia da zona, o ppl da GAS agradece.

ps. neste blog pode-se escrever á vontade

abrçs